Ambiente

18 de agosto de 2022

SERVIÇO - ENTREVISTA

A Amazônia e seu contexto socioambiental

carlos nobre.jpg

Com Carlos Nobre
Ambientalista e coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT)

Alfesio.jpg

Coordenação Alfésio Luís Ferreira Braga
Coordenador do GT Saúde e Ambiente do IWL/FESPSP

William Nozaki.jpg

William Nozaki

Cientista social, economista e professor, Coordenador da Cátedra Celso Furtado da FESPSP

ENTREVISTADORES

eleonora.jpg

Eleonora de Lucena

Jornalista, fundadora do Tutameia

DIA 25 DE AGOSTO ÀS 18H30
transmissão pelo Youtube e mídias digitais do IWL, FESPSP, TUTAMEIA e GGN

TUTAMEIA.png
GGN.png
fespsp.jpg
nassif.jpg

Luis Nassif

Jornalista referência na área de economia e política, criador do GGN

Participação especial do foto-repórter 

Avener Prado

avener-1920x1280.jpg

Carlos Nobre fala sobre Amazônia em entrevista ao GT de Ambiente e Saúde

O ambientalista Carlos Nobre será o entrevistado da próxima quinta-feira, dia 25 de agosto, do GT de Saúde e Ambiente do Instituto Walter Leser da Escola de Sociologia e Política (IWL/FESPSP). Coordenada por Alfésio Luís Ferreira Braga, a entrevista terá a participação de Willian Nozaki, cientista político, economista e coordenador da Cátedra Celso Furtado/FESPSP, e da jornalista Eleonora de Lucena, fundadora do Tutameia, como entrevistadores; e transmissão em pool pelos canais de youtube e mídias sociais do IWL, da Escola de Sociologia e Política, do Tutameia e também do GGN, o canal de jornalismo comandado por Luis Nassif.

  O tema da entrevista será a situação da Amazônia e os desafios impostos pelo contexto socioambiental. Referência mundial no tema, Carlos tem repetido os alertas sobre a savanização da região. Primeiro a falar sobre este risco, informa

que se o aumento da temperatura média chegar a 4ºC, há 50% de chances de haver uma rápida savanização da floresta. Ele também ressalta a desigualdade do nível de danos para os diferentes grupos sociais do mundo, mais alto nas regiões mais pobres do planeta.

O cientista é coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT) e tem experiência consistente na gestão e política científicas (veja biografia abaixo). E em maio deste ano tornou-se membro estrangeiro da Royal Society, a poderosa academia científica inglesa, a mais antiga do mundo. O último brasileiro a fazer parte da Royal Society foi D. Pedro II, no final do século 19.

A entrevista é uma realização do Instituto Walter Leser da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (IWL-FESPSP) e tem promoção da FESPSP, do GGN e do Tutameia.

Participação do fotógrafo Avener Prado

Avener Prado ilustra a entrevista com o material que irá expor na Escola de Sociologia e Política no início de setembro, como parte das comemorações do Bicentenário da Independência, voltada para a preservação da Amazônia. Avener cobre a região como fotojornalista freelancer, e reúne os dez ultimos anos de trabalho em uma das três mostras que compõem a exposição, com cenas da Amazônia real e atual.

Carlos Nobre

Graduou-se em engenharia eletrônica (1974) no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, São Paulo e fez doutorado em meteorologia (1983) no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT na sigla em inglês), Estados Unidos. Fez estágio de pós-doutoramento (1989) na Universidade de Maryland, EUA. Foi pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – Inpa (1975-1981) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe (1983- 2012). Exerceu funções de gestão e coordenação científicas e de política científica como presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes (2015-2016), diretor do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais – Cemaden (2015) e secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI (2011-2015). É coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT). Suas áreas de pesquisa abrangem geociências e ciências ambientais com ênfase em meteorologia, climatologia, modelagem, mudanças climáticas, desastres naturais e ciência do sistema terrestre, atuando principalmente nos temas ciências atmosféricas, clima, meteorologia, Amazônia e modelagem climática, interação biosfera-atmosfera, mudanças climáticas e desastres naturais. Recebeu vários prêmios como Fundação Conrado Wessel, na área de Meio Ambiente (2007); Von Humboldt Medal da European Geophysical Union (2009); condecoração da Classe Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico da Presidência da República (2010); “Prêmio a la Cooperación em Ciencia, Tecnologia y Innovación Dr. Luis Frederico Leloir”, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva, da Argentina (2011); Volvo Environmental Prize, Suécia (2016). Além da ABC, é membro da Academia Mundial de Ciências (TWAS, na sigla em inglês) e membro estrangeiro da Academia Nacional de Ciências, EUA (NAS, na sigla em inglês).

Alfésio Luis Ferreira Braga

Coordenador do GT Saúde e Ambiente – IWL/FESPSP; pesquisador sênior do Núcleo de Estudos em Epidemiologia Ambiental (NEEA), do Laboratório de Patologia Ambiental e Experimental (LPAE) - LIM05, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médico pediatra, epidemiologista, com interesse nas doenças relacionadas à contaminação ambiental. Professor do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Católica de Santos, onde coordena o Grupo de Avaliação de  Exposição e Risco Ambiental (GAERA).

William Nozaki

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP); com mestrado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP), com ênfase em História Econômica; é doutorando em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP), com ênfase em Padrões e Estratégias de Desenvolvimento. Atualmente é docente do curso de Sociologia e Política na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), onde também coordena o curso de pós-graduação em Política e Relações Internacionais e a Cátedra Celso Furtado Tem experiência e atuação em pesquisa em estrutura e transformação do Estado; classes sociais e grupos de interesse; processos decisórios em políticas públicas na área de ciência política e em história econômica; economia industrial e petrolífera e economia dos recursos naturais e energéticos, na área de economia.

Eleonora de Lucena

Graduada em Jornalismo pela UFRGS, iniciou sua carreira no jornal Zero Hora, em Porto Alegre. Transferiu-se para a cidade de São Paulo em 1981 e em 1984, ingressou no jornal Folha de S.Paulo, onde foi diretora-executiva (2000-2010); repórter especial e mais a frente, colaboradora eventual do veículo. É fundadora, junto com o marido, também jornalista, Rodolfo Lucena, do Tutameia, um serviço jornalístico online.

Luis Nassif

Jornalista desde a adolescência, Luis Nassif formou-se na ECA e tornou-se referência para coberturas na área de economia e política nos anos de 1970, quando criou a primeira coluna de economia pessoal da imprensa brasileira, a Dinheiro Vivo, e o icônico Jornal do Carro, os dois no Jornal da Tarde. Nos anos 80 foi para a TV, com experiências na TV Gazeta, TV e Rádio Bandeirantes e TV Cultura de São Paulo. A sua agência de notícias de economia e negócios, Dinheiro Vivo, começou nesta época como um programa de TV. Hoje comanda o GGN, um portal de notícias voltado para temas de interesse nacional, em contraponto à cobertura da mídia hegemônica